Portugues

This text is replaced by the Flash movie.
   
< voltar
Sismos
Filme do tinoni

O que é um sismo?
A superfície da terra é formada por placas, chamadas placas tectónicas – como um puzzle gigante. Estas placas encontram-se em constante movimento, o que origina uma acumulação de energia no interior da crusta terrestre. Quando se dá uma libertação repentina dessa energia, o chão estremece, podendo provocar a queda de objectos, como televisões e estantes ou mesmo estragos nos edifícios e nas pontes. A este fenómeno natural, que dura apenas alguns segundos, chamamos tremor de terra, sismo ou terramoto. Muitas vezes os primeiros abalos são seguidos por outros, aos quais chamamos réplicas.

Pode-se prever um sismo?
Ninguém pode prever onde e quando vai ocorrer um sismo, nem qual a sua intensidade. Os sismos surgem sem aviso e podem ocorrer a qualquer hora, dia ou período do ano.
Porque é que acontecem sismos em Lisboa?
A cidade de Lisboa encontra-se numa zona da crusta terrestre que costuma ser afectada por sismos fortes, separados por longos períodos de acalmia, em que se registam apenas sismos fracos.

Há zonas de Lisboa mais perigosas que outras se ocorrer um sismo?
Sim, porque a constituição dos solos varia de zona para zona da cidade, apresentando assim resistências diferentes a um sismo. O perigo aumenta nas zonas junto ao rio, devido à probabilidade de se formarem tsunamis e nos locais onde os edifícios se encontram mais degradados ou não foram construídos de acordo com as normas anti-sísmicas.
O que aconteceu no tremor de terra de 1755?
No dia 1 de Novembro de 1755 registou-se em Lisboa um dos maiores sismos de sempre. Após vários abalos que deixaram a cidade em ruínas, ondas gigantes inundaram as zonas mais baixas da cidade. Esta destruição foi acompanhada por um grande incêndio que durou 5 a 6 dias. Calcula-se que tenham morrido vários milhares de pessoas, tendo ruído um número muito significativo dos edifícios.
lisboa 1755lisboa 1755
Como se mede um sismo?
A grandeza de um sismo pode ser medida de duas formas:
Pela , através da amplitude das ondas sísmicas registadas nos sismogramas, a qual está relacionada com a quantidade de energia libertada no foco. Trata-se de uma forma quantitativa de medir o sismo.
A escala mais utilizada é a Escala de Magnitude de Richter, composta por nove graus. Cada grau desta escala corresponde a um aumento de energia cerca de trinta vezes superior, em relação ao grau anterior.
Pela , através da avaliação dos efeitos produzidos em termos de danos nas estruturas edificadas e no modo como as vibrações são sentidas pela população. Os efeitos são escalonados em níveis, segundo uma escala de intensidades de natureza qualitativa.
A escala mais conhecida é a Escala de Intensidades de Mercalli Modificada, constituída por doze graus.
Podem ser utilizadas ainda outras escalas.

sismografo
O que é um tsunami?
O termo tsunami é utilizado para definir uma série de ondas provocadas por uma súbita perturbação no fundo do mar originada, normalmente, por um sismo, erupção vulcânica ou deslizamento de terras.
Contrariamente às ondas provocadas pelo vento, que apenas originam a perturbação da superfície do mar, a energia das ondas do tsunami estende-se a toda a massa de água, desde a superfície até ao fundo. Estas ondas, que podem atingir grandes dimensões e viajar através das bacias oceânicas com uma pequena perda de energia, atingem velocidades entre os 500 e os 1000 quilómetros por hora em alto mar.
A velocidade e a altura das vagas dependem e variam de acordo com a profundidade da água. Em alto mar, ondas que normalmente não ultrapassam 1 m de altura, chegam a atingir mais de 10 metros junto à costa. A destruição originada directamente pelos tsunamis, sobretudo nas zonas costeiras que se situam poucos metros acima do nível do mar, resulta de vários factores: da inundação, do impacto das ondas (devido à sua enorme energia), dos detritos transportados pelas águas e da erosão causada pelas fortes correntes.
A distância entre vagas sucessivas em alto mar é muito grande, reduzindo-se, no entanto, substancialmente junto à costa. O tempo de chegada do tsunami, salvo algumas excepções, varia entre alguns minutos a 1 hora. Em terra estas ondas têm um poder de penetração muito superior ao das ondas normais, espraiando-se muito para além dos limites da costa.

Se estiver perto do mar e ocorrer um sismo o que devo fazer?
Se estiveres junto ao litoral e sentires um abalo sísmico é possível que ocorra um tsunami, pelo que deverás seguir estas recomendações:

Procura um local alto, longe da costa, para te abrigares. Uma alteração repentina do nível das águas do mar é um indício da ocorrência de tsunamis, está atento e protege-te num local seguro;
Afasta-te das praias e das margens dos rios;
Liga o rádio para obter informações mais detalhadas;
Prepara-te para uma possível evacuação;
Informa-te sobre os locais mais seguros e as estradas a utilizar;
Se fores aconselhado a abandonar a zona, avisa os teus pais e façam-no de imediato;
Se estiveres numa embarcação, informa os adultos que se devem dirigir para alto mar. O efeito destruidor do tsunami localiza-se junto à costa, onde a profundidade das águas é baixa;
Não te aproximes das áreas de risco até que as autoridades locais informem que as mesmas se encontram seguras. Lembra-te que o perigo não termina após a primeira onda, um tsunami é formado por uma série de ondas que podem ser maiores que as anteriores;
Segue as instruções das autoridades.
de ocorrer um sismo, o que devemos fazer?
Em caso de sismo, o respeito por algumas normas muito simples pode constituir um factor determinante na diminuição de acidentes pessoais e danos materiais.
Informa-te sobre as causas e efeitos possíveis de um sismo na tua zona.
Fala sobre o assunto, de uma forma tranquila e serena, com os teus familiares e amigos.
Em conjunto com a tua família, elabora um plano de emergência.
Certifica-te que todos sabem o que fazer, caso ocorra um sismo.
Combina previamente um local de reunião, para o caso de te separares dos restantes membros da família durante o sismo.
Colabora e prepara a tua casa por forma a facilitar os movimentos, libertando os corredores e passagens, arrumando móveis e brinquedos.
Identifica os locais mais seguros: vãos de portas interiores, cantos de paredes mestras, debaixo de mesas e de camas.
Mantém uma distância de segurança em relação a objectos que possam cair ou estilhaçar.
Alerta os teus pais para a necessidade de fixar as estantes, os vasos e floreiras às paredes da casa e para colocarem os objectos pesados, ou de grande volume, no chão ou nas estantes mais baixas.
Aprende a desligar a electricidade e a cortar a água e o gás.
Afixa em local bem visível os números de telefone dos serviços de emergência.


Como devo organizar o meu kit de emergência?
Em conjunto com os teus pais, reune uma lanterna, um rádio portátil e pilhas de reserva para ambos, bem como um extintor, um estojo de primeiros socorros e medicamentos essenciais à família. Armazena ainda água em recipientes de plástico e alimentos enlatados para dois ou três dias.
Inclui no kit, agasalhos e calçado resistente.
(Atenção: verifiquem com periodicidade os prazos de validade destes componentes).

Em caso de sismo, quais os locais mais perigosos dentro de uma casa?
Junto a janelas, espelhos, candeeiros, móveis e outros objectos que possam cair.

um sismo, se estiver dentro de casa ou de qualquer outro edifício, o que devo fazer?
Se estiveres num dos andares superiores, não te precipites para as escadas e nunca utilizes os elevadores. Abriga-te no vão de uma porta interior, nos cantos das salas ou debaixo de uma mesa ou cama. Mantém-te afastado de janelas e espelhos e tem muito cuidado com a queda de candeeiros, móveis ou outros objectos.
escole
um sismo, se estiver na rua o que devo fazer?
Dirige-te, com calma e serenidade, para um local aberto, longe do mar ou cursos de água. Não corras nem andes a vaguear pelas ruas. Mantém-te afastado dos edifícios (sobretudo dos mais degradados, altos ou isolados) dos postes de electricidade e outros objectos que possam cair. Afasta-te de taludes, muros, chaminés e varandas.
um sismo, o que devo fazer se estiver num local com grande concentração de pessoas?
Fica dentro do edifício até o sismo cessar, depois sai com calma, tendo atenção às paredes, chaminés, fios eléctricos, candeeiros e outros objectos que possam cair. Durante o sismo, não te precipites para as saídas. As escadas e portas são pontos que facilmente se enchem de escombros e podem ficar obstruídos por pessoas que tentem deixar o edifício.
de um sismo, o que devo fazer?
Mantém a calma e conta com a ocorrência de possíveis réplicas.
Não te precipites para as escadas ou saídas. Nunca utilizes elevadores.
Não acendas fósforos ou isqueiros. Pode haver fugas de gás.
Corta a água e o gás e desliga a electricidade.
Utiliza lanternas a pilhas.
Liga o rádio e cumpre as recomendações que forem difundidas.
Evita passar por locais onde existam fios eléctricos soltos.
Não utilizes o telefone, excepto em caso de extrema urgência (feridos graves, fugas de gás ou incêndios).
Não circules pelas ruas para observar o que aconteceu. Liberta-as para as viaturas de socorro.

scorroturquia
 

 
 
   
© Tinoni 2008 Serviço Municipal de Protecção Civil de Lisboa Design Agence de communication